quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

2010 já bate na porta...

O ano de 2010 é logo ali !

Esse ano que se inicia teremos Copa do Mundo e Eleições. É verdade, é um ano cheio de atrações.

Na Copa do Mundo, a primeira realizada no continente africano, a Seleção Brasileira vai tentar o Hexacampeonato mundial e a principal adversária é a seleção espanhola.

E o Mengão vai tentar o Tetra no campeonato carioca, o Bicampeonato na Libertadores e o Hepta no Brasileirão. Haja emoção !!!

Em outubro teremos eleições gerais: Presidente, Governador, Senadores, Deputados Federais e Estaduais. Aliás, é a primeira eleição desde a redemocratização que o Lula não será candidato. Como votei no Cara (Lula) em 2002 e 2006, vou votar na Coroa (Dilma) em 2010.

Para o Governo do Rio, o Sérgio Cabral vai tentar a reeleição e o Garotinho tá querendo voltar, e ainda, tem o Lindberg e Gabeira que querem chegar ao Palácio Guanabara.

Aqui na Região dos Lagos teremos vários candidatos a deputado federal e estadual. Só em Cabo Frio, são mais de 6 candidatos a uma vaga na ALERJ e com consequencia em 2012. Já em São Pedro da Aldeia, o Claúdio Chumbinho vai tentar a vaga também de olho em 2012, igualmente vai fazer o ex-prefeito Paulo Lobo.

Em março, o nosso blog vai fazer uma nova enquete sobre a preferência do eleitorado da Região dos Lagos sobre os candidatos a uma vaga na ALERJ e ao Congresso Nacional.

O ano de 2010 será, também, o ano do nascimento da minha segunda filha, a Sophia. Que venha com bastante saúde e paz.

Enfim, FELIZ 2010 !!!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

O sapato do William Bonner

Sidnei Liberal *

William Bonner, do Jornal Nacional, costuma dizer que todas as noites sua equipe tenta colocar um elefante dentro de uma caixa de sapatos. Sempre conseguem. Trata-se da configuração do jornal de maior audiência na TV brasileira. Significa que grande quantidade das notícias produzidas é jogada na lata do lixo e outras tantas somente são divulgadas após lapidar edição que envolve a escolha de enquadramentos, incidências e aparas.

Por ficarem de fora, não serão discutidas pelo público: o “lixo”, outros enquadramentos, outras incidências, outras maneiras de ver e de apresentar os temas.

É o que se denomina agendamento (agenda setting), teoria bastante conhecida em todo o mundo por qualquer estudante de comunicação, desde os anos 70, que revela como os meios de comunicação determinam a pauta (agenda) para a opinião pública. Ou seja, resolvem o que e de que forma – de que ângulo, de que ponto de vista, sob que aspecto ou profundidade – nós, indefesos leitores/ouvintes, devemos discutir a história de cada dia. Pois, para muitos, o que não deu no Jornal Nacional, a caixa de sapatos de Bonner, não aconteceu.

Tem-se no agendamento o instrumento de impor ao leitor/ouvinte uma carga de opiniões político-ideológicas ou culturais que interessam às instâncias de poder vinculadas aos donos do veículo de comunicação. Dito de outra forma, a linha ideológica nasce de modo “espontâneo”, das necessidades dos profissionais da comunicação de manter uma relação de boa convivência e conforto em seus postos de trabalho. Ou seja, a linha ideológica da notícia nasce não só do perfil intelectual e cultural do jornalista, de suas relações e afinidades ou do seu compromisso social, mas também e sobretudo do tipo de (in)dependência profissional com seu veículo empregador.

De qualquer forma, para a unanimidade dos estudiosos não há isenção na produção de qualquer matéria jornalística, mesmo a que não é rotulada como opinativa. E assim, o ouvinte/leitor recebe o “benefício” do agenda setting para não precisar pensar. Já na década de 20, dizia o Estadão: “Um verdadeiro jornal constitui para o público uma verdadeira bênção. Dispensa-o de formar opiniões e formular ideias. Dá-lhes já feitas e polidas, todos os dias, sem disfarces e sem enfeites, lisas, claras e puras” (Editorial do O Estado de São Paulo, de 14/01/1928).

Pode-se inferir então que um mergulho no “lixo” e nas aparas, e um exame por ângulos e critérios ideológicos diversos no noticiário jornalístico, certamente produziriam caixas de sapatos diferentes da de Bonner. Um mergulho e um exame que serão facultados a qualquer ouvinte/leitor quando o veículo de comunicação lhe oferecer os diversos ângulos e a totalidade dos fatos, para que exerça criticamente sua análise e sua escolha. Será, enfim, a oportunidade de poder formar sua opinião, sua versão dos fatos.

Para que isso aconteça, a sociedade precisa se dar conta de que existe um direito que a Constituição lhe garante: o Direito à Informação. Informação em sua integralidade, que permita acesso a uma leitura crítica, personalizada, liberta das amarras opinativas unidirecionais viciadas. Democraticamente aberta a múltiplas interpretações e juízos. Múltiplas caixas de sapatos...

Um novo olhar

Uma amostragem do que “não aconteceu” (o lixo e as aparas do Bonner) pode ser vista no noticiário dos últimos dias:

Na última quinta-feira (24/12), o prestigiado jornal francês Le Monde escolheu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva como "o homem do ano de 2009. Por seu sucesso à frente de um país tão complexo como o Brasil, por sua preocupação com o desenvolvimento econômico, com a luta contra as desigualdades e com a defesa do meio-ambiente”.

Poucos dias antes, Lula foi escolhido pelo jornal espanhol El País a primeira das cem personalidades mais importantes do mundo ibero-americano em 2009. Com direto a foto de capa inteira e perfil assinado pelo próprio primeiro-ministro da Espanha, José Luis Zapatero. "Homem que assombra o mundo", "completo e tenaz", “por quem sinto uma profunda admiração", escreveu o premiê espanhol.

Neste dia 29 de dezembro, o jornal britânico Financial Times escolheu o presidente brasileiro como uma das 50 personalidades que moldaram a última década, porque “é o líder mais popular da história do Brasil”. “Charme e habilidade política... baixa inflação... programas eficientes de transferência de rendas...", diz o jornal.

Há nestas notícias da imprensa internacional o reflexo de um novo dia, de um novo tempo de novos sonhos. Um novo olhar do mundo sobre o Brasil. No entanto, para o leitor/ouvinte dos nossos jornalões, simplesmente nada disso aconteceu.

* Médico, membro da Direção do PCdoB – DF

Portal Vermelho

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Fim de Ano é tempo de ...

... de cidade lotada, filas nos mercados, padarias e bancas de jornais, e ainda, caos no trânsito.

A cidade de Cabo Frio viveu no último final de semana um verdadeiro caos urbano. Flanelinhas extorquindo R$ 3,00 ou R$ 5,00 pelo estacionamento na Praia do Forte ou na Praia das Conchas e não paga não para ver o que acontece. São verdadeiros feudos. O comando da Guarda Municipal de Cabo Frio está acefála, sem comando e sem pulso. É um verdadeiro CHOQUE DE DESORDEM. Imagina na virada do ano onde estão esperando quase 900mil pessoas na cidade. Meu amigo Prefeito Marquinho Mendes abre o olho sobre essa questão.

... de renovar as promessas feitas no início do ano: vou emagrecer ou vou entrar na academia ou vou parar de fumar e beber.

O importante mesmo é fazer uma avaliação séria do aconteceu na vida nesse ano de 2009 e aproveitar o que aconteceu de positivo e descartar as coisas ruins que apenas servirão de lição.

... de sonhar de novo, afinal o Ano Novo sempre sonhamos com algo a mais para nossas vidas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

FELIZ NATAL

Senhor, nesta Noite Santa, depositamos diante de Tua manjedoura todos os sonhos, todas as lágrimas e esperanças contidos em nossos corações.

Pedimos por aqueles que choram sem ter quem lhes enxugue uma lágrima.

Por aqueles que gemem sem ter quem escute seu clamor.
Suplicamos por aqueles que Te buscam sem saber ao certo onde Te encontrar.

Para tantos que gritam paz, quando nada mais podem gritar.

Abençoa, Jesus-Menino, cada pessoa do planeta Terra, colocando em seu coração um pouco da luz eterna que vieste acender na noite escura de nossa fé.

Fica conosco, Senhor! Assim seja !"

Que essa Oração do Natal abra teus caminhos rumo a um Ano Novo de muita Paz e muita Saúde.


Feliz Natal !!!

Luciano Silveira e família.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

"Reunismo" sem resultado é perda de tempo

Temos acompanhado a Conferência Mundial sobre o clima em Copenhague, Dinamarca e percebemos que os líderes dos diversos países se reunem e discutem, mas não chegam a um acordo para o bem do nosso Planeta.

Quantas vezes nós mesmo nos reunimos nas empresas, nas associações de classe e até em partidos políticos e temos a sensação que não atingimos o resultado? Chegam-se a conclusões e propostas que não serão implementadas.

A minha formação técnica e prática como engenheiro espera-se sempre que qualquer reunião alcance um resultado produtivo e que ações sejam realmente aplicadas. A pior coisa é ver toda uma reunião jogada no lixo pelo simples fato de que não foram implentadas as ações aprovadas.

Portanto, vamos reunir, discutir e debater com resultados práticos. Pois, "Reunismo" sem resultado é perda de tempo !

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

PT cresce na preferência da população, aponta pesquisa Vox Populi

O Partido dos Trabalhadores vem crescendo de forma significativa na preferência da população brasileira. De acordo com pesquisa da VoxPopuli, realizada entre 31 de outubro e 5 de novembro em 170 municípios do país, o PT saltou de 19% em março de 2004 para 30% em outubro deste ano na preferência partidária da sociedade. Já a rejeição, caiu de 8% para 7% no mesmo período. Para 36% dos entrevistados, o PT é o partido que mais ganha importância política e possui lideranças fortes.

A simpatia do povo brasileiro também é do PT, com cerca de 60%. O número também vem evoluindo. Em maio de 2008, eram 48% os entrevistados simpatizantes. Apenas 2% acreditam que é um partido com pouca força política.

A atuação do partido nas questões econômicas e sociais também foi avaliada. Para quase 70% da população, o PT tem papel importante e colabora de forma efetiva no crescimento da economia brasileira. 66% dos entrevistados também se mostram confiantes sobre esse assunto e acham que a economia encontra-se em pleno processo de progressão. Para 59% tem expectativas bastante positivas também para os próximos meses.

Os dados foram apresentados pelo presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, que esteve presente na tarde de segunda-feira (14) na última reunião ordinária do ano do Diretório Estadual do PT de São Paulo.

Após a apresentação, Berzoini fez uma análise da conjuntura política e ressaltou, sobretudo, a importância do arco de alianças tanto em nível nacional, quanto estadual a fim de que se consolide o projeto democrático popular colocado em prática pelo Governo Lula, com continuidade e aprofundamento das políticas implantadas.

Apesar dos grandes desafios a serem superados em 2010, Berzoini se mostra confiante e destaca o potencial de crescimento do PT no Brasil, pela sua base e capilaridade conquistadas ao longo dos 30 anos e pela situação econômica e social favorável que se encontra o país, reconhecida internacionalmente.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Chumbinho faz escola

O ex-presidente da Câmara Municipal de São Pedro da Aldeia, o ex-vereador Cláudio Chumbinho (PT) está fazendo escola. No tempo que exerceu a presidência do legislativo aldeense ele devolveu aos cofres públicos do executivo dinheiro que sobrou.

Agora o atual presidente da Câmara de Vereadores de Cabo Frio, o vereador Alfredo Gonçalves (PPS) devolveu R$ 700 mil aos cofres públicos cabofriense.

Em tempos de crise e de denúncias de corrupção é sempre bom ouvir essas notícias.

Parabéns aos vereadores !!!

Viver a Vida no Balneário

O blogueiro Rafael Peçanha (http://www.rafaelpecanha.blogspot.com/) postou em seu blog um belo artigo sobre a discriminação que o Manoel Carlos, autor da novela global Viver a Vida, está associando a violência à cidade de Cabo Frio.

Na novela o único que faz papel de pobre é de um criminoso que está sempre alojado em Cabo Frio.

Fala sério Rede Globo!!!

Parabéns Rafael pelo artigo !!!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Dia do Engenheiro e Dia do Arquiteto

Ao notar a evolução e o progresso do mundo, vemos a importância de grandes profissionais.

Esses grandes profissionais são os Arquitetos e aos Engenheiros.

Hoje, 11 de dezembro, não posso de deixar de prestar uma homenagem esses colegas que muito fazem por todos.

Parabéns todos os amigos Arquitetos e Engenheiros !!!

Morre Jamil Haddad

O presidente de honra do Partido Socialista Brasileiro (PSB) e ex-ministro da Saúde Jamil Haddad morreu na madrugada desta sexta-feira (11), em casa, na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro. Haddad estava com 83 anos e faleceu de infarto. O corpo do ex-ministro vai ser velado na capela 2 do Cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul. O enterro está marcado para 17h desta sexta-feira (11).

A assessoria do governo do estado do Rio informou que vai ser decretado luto de três dias.

Haddad nasceu no Rio em 2 de abril de 1926. Ele se formou em ortopedia em 1949, na Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro. Haddad ingressou na política em 1962, quando foi eleito deputado estadual então estado da Guanabara.

Em 1983, foi prefeito do Rio entre março e dezembro. Em 1982, como senador, participou da Assembléia Constituinte. Foi um dos fundadores do Partido Socialista Brasileiro (PSB), em 1988, do qual recebeu o título de presidente de honra.

No governo de Itamar Franco, ele foi nomeado para o Ministério da Saúde, onde permaneceu até 1993. Durante sua passagem pelo governo federal, foi o autor do decreto dos medicamentos genéricos. Em entrevistas, ressaltava que a regulamentação dos genéricos em 1999 foi apenas a consequência da iniciativa tomada seis anos antes.

Em 2003, foi convidado a assumir a direção geral do INCA, cargo que ocupou durante cinco meses.

Em nota, o PSB ressaltou que "Jamil Haddad dedicou toda sua vida pública às lutas democráticas em favor dos trabalhadores, contra a ditadura militar e combatendo as desigualdades sociais. Como militante, trabalhou pela reconstrução e afirmação do socialismo no Brasil".

Fonte: G1.com

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

VI CMATIC - Belém do Pará.

Terminou ontem (09/12/09) o VI CMATIC - Congresso Brasileiro sobre as Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção, o evento foi organizado pela Fundacentro e o Ministério do Trabalho e ocorreu na Estação das Docas, em Belém do Pará.

A abertura foi no dia 06 de dezembro e no dia 08/12 (terça-feira) apresentei o artigo "Análise Qualitativa de Risco em Serviço de Pavimentação Asfáltica: Estudo de Caso". A aprentação durou cerca de 30 minutos e sala estava lotada.


O local do evento, a Estação das Docas, é muito bonito. A revitalização desse espaço criou um espaço de feiras e gastronomia na cidade de Belém. É um bom exemplo a ser seguido pela Estação das Docas no Rio de Janeiro .






terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Imagens do Flamengo HEXACAMPEÃO


Sofrido, um jogo digno de uma grande final para um grande clube que tem uma imensa torcida.


Assim foi o Flamengo e Grêmio do último domingo.

No final, a massa rubro-negra gritou ...

HEXACAMPEÃO !!! HEXACAMPEÃO !!! HEXACAMPEÃO !!!



segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Flamengo HEXACAMPEÃO BRASILEIRO !!!

Ontem, com o Maracanã lotado, o meu Mengão conquistou o Hexacampeonato Brasileiro. Eu junto com mais 85.000 torcedores sofremos do início ao fim, pois o time entrou desatento e parecia que não queria ganhar o título. Mas a força da massa rubro-negra empurrou o time e saímos gritando ... H E X A C A M P E Ã O!!!

Antes do jogo foi um sufoco para entrar no "Maior do Mundo". Foram quase 03 (três) horas na fila para poder entrar. Lá dentro a festa estava erradiante.

Valeu Mengão Hexacampeão (1980, 1982, 1983, 1987, 1992 e 2009) !!!

Valeu Andrade, o verdadeiro herói desse título!

Amanhã colocarei as fotos da Festa da Massa Rubro-Negra.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

"Panetones Arruda"

O povo DF não quer Arruda nem atrás da orelha.

De mutreta em mutreta, o Brasil não muda. Agora são os "Panetones Arruda".

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

2ª Revisão Tarifária Quinquenal - PROLAGOS e ÁGUAS DE JUTURNAÍBA

A Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro - AGENERSA realizará Audiências Públicas nos dias 10 e 11 de dezembro de 2009, relativa aos Processos da 2ª Revisão Tarifária Quinquenal das Concessionárias PROLAGOS E ÁGUAS DE JUTURNAÍBA, nos termos dos Contratos de Concessão celebrados entre as referidas Concessionárias e o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Audiência Pública da Concessionária PROLAGOS

Local da Audiência Pública: Auditório da Universidade Estácio de Sá

Data: 10 de dezembro no horário das 9hs às 18hs

Endereço: Rodovia General Alfredo Bruno Gomes Martins, s/nº - Braga - Cabo Frio

Audiência Pública da Concessionária ÁGUAS DE JUTURNAÍBA

Local da Audiência Pública: Auditório da Universidade Cândido Mendes

Data: 11 de dezembro no horário das 9hs às 18hs

Endereço: Rodovia RJ-124, km 34 - Condomínio Pólo Industrial - Itatiguara - Araruama

Maiores informações:

http://www.agenersa.rj.gov.br/noticia.asp?cod=248

No site da AGENERSA também se encontra o relatório técnico da Fundação Getúlio Vargas – FGV, link:

http://www.agenersa.rj.gov.br/documentos/audi/CAJ_CPR/Relatorio%20Final%20-%20Prolagos.pdf

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

A cultura de segurança deve nascer nas altas gerências

Em muitas empresas o processo de segurança e saúde está separado das estratégias dos negócios e dos processos organizacionais, revelando que não há dentro delas uma cultura de segurança implantada e vigente. Nessas organizações, as ações relacionadas à SST (Saúde e Segurança do Trabalho) convivem com o estigma de serem exercidas apenas como uma obrigação legal e são enxergadas pela sua liderança como algo secundário à produção, muitas vezes atrapalhando as atividades e a produtividade pela intervenção em casos de riscos nos locais de trabalho.

A intensa busca das organizações pelas certificações ISO nos últimos anos, por força do mercado e para maior aceitação de seus produtos ou serviços pelos clientes e outros stakeholders, teve um forte efeito sobre o comportamento organizacional diante das questões relativas à Saúde e Segurança do Trabalhador. Essas questões vêm ganhando espaço nas discussões das altas esferas da liderança empresarial, pois estas perceberam que tais itens necessitam ser tratados com o mesmo rigor e cuidado com que desenvolvem a gestão de qualidade de seus produtos. Esse entendimento pressupõe uma empresa que pretende garantir não apenas que seu produto seja competitivo, mas também que seja produzido sem agredir a saúde de quem o produz e o meio ambiente no qual está inserida essa organização.

Esse processo de conscientização da liderança torna-se a matriz da cultura de Segurança e Saúde Ocupacional de uma organização.

Uma política de Segurança e Saúde Ocupacional no trabalho estrategicamente selecionada, acolhida, desdobrada em planos de ação e disseminada pela liderança organizacional no ambiente produtivo certamente é um dos fatores de relevância e benefícios para todas as partes interessadas.

Sabe-se que o modelo taylorista-fordista considerava o pulso forte do supervisor no controle do processo produtivo, a separação da concepção e execução do trabalho, interesse principal pela quantidade produzida e a qualidade final do produto.

As mudanças na organização do trabalho, inovação tecnológica e o esgotamento do mercado consumidor, devido à sua incapacidade de absorver toda a produção de bens e serviços, impuseram um novo modelo produtivo: o da flexibilização. Este requer esquema participativo, trabalhadores polivalentes, competência e autonomia; gerenciamento pela qualidade total incluindo a satisfação das necessidades de clientes internos e externos; educação no trabalho, times de trabalho, kanban e just-in-time, comunicação em rede, entre outros aspectos.

A organização do trabalho na América Latina e, especificamente no Brasil, é heterogênea. Ela ainda apresenta a coexistência dos dois modelos: o taylorista-fordista, na maioria das pequenas e médias empresas, e o da flexibilização, naquelas em que predomina o grande porte e as multinacionais.Muitas empresas, à vista desse cenário, ainda não assimilaram bem a cultura de Saúde Ocupacional e Segurança no Trabalho, que prima pela atuação organizacional de forma preventiva e pró-ativa contra riscos e perdas.

Fonte: Revista Proteção - edição 215

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Dia Mundial de Combate a AIDS

Dia 1° de dezembro é o Dia Mundial de Combate a Aids.

A segurança do trabalho tem um papel fundamental nessa campanha de prevenção a Aids, pois as CIPAs (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) através das SIPATs (Semana Interna de Prevenção de Acidentes) tem a obrigação legal de promover a conscientização dessa doença incurável que assola o mundo.

No Brasil, a Aids está se espalhando entre as comunidades do interior e mais pobres e, ainda, entre as mulheres e adolescentes.

Vamos combate a Aids conhecendo os perigos e conscientizando da população.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Dia dos Técnicos e Engenheiros de Segurança do Trabalho

Hoje, 27 de novembro, é dia dos Técnicos de Segurança do Trabalho e dos Engenheiros de Segurança do Trabalho.

Esses profissionais trabalham para promover a segurança de todos os trabalhadores de organização. A meta sempre é risco de acidentes ZERO.

Parabéns a todos nós !!!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Escola Agrícola Municipal de Cabo Frio realizou Gincana da Língua Portuguesa

A Escola Agrícola Municipal Nilo Batista, localizada no Segundo Distrito de Cabo Frio realizou, no último dia 24 de novembro, a Gincana da Língua Portuguesa, uma culminância do projeto “Leitura: Prazer e Cultura” que, durante o ano de 2009, teve o intuito de desenvolver o hábito da leitura e a escrita entre alunos do 6º ao 9º ano, Ensino Médio e Técnico.

As responsáveis pelo projeto, a supervisora escolar Marilúcia Borromeu e a coordenadora Érica Cristina, juntas com os demais professores de Língua Portuguesa desenvolveram com os alunos várias ações ao longo do ano letivo como seleção de livros, leitura deleite, campanha de arrecadação de livros e divulgação da moeda de troca, "O Nilo", em sala de aula - de acordo com a quantidade de "nilos" adquiridos o aluno poderia fazer trocas da moeda por livros, revistas, gibis e outros gêneros de leitura.

A escola também promoveu tardes e manhãs literárias, ao final de cada mês, recheadas de recitais, concurso de poesia, apresentação musical, varal e feira de livros. Ontem, culminou com a Gincana que contou com declamação de poemas; soletrando; quizz; adivinhação de provérbios, através de mímicas; arrecadação de livros, gibis e revistas; busca ao dicionário; jogo "Acerte a palavra"; nova ortografia; interpretação de charges e tirinhas.

A Equipe Verde composta pelas turmas 601, 900 e 1000 foi a grande vencedora. A equipe foi coordenada pela Professora Maristela de Oliveira que aliás se saiu muito bem na tarefa "soletrando", ela parecia o Prof Sérgio Nogueira do Calderão do Hulck.

Parabéns as turmas vencedoras !!!

Parabéns a Escola Agrícola Municipal Nilo Bastista pela excelente iniciativa !!!

Empresas poderão questionar o FAP pelo site da Previdência

As empresas que cumprem as normas de segurança e saúde do trabalho terão como apresentar defesa administrativa para redução do FAP (Fator Acidentário de Prevenção), mediante o preenchimento de um formulário eletrônico que o Ministério da Previdência Social ficou de disponibilizar em seu site.

A informação é da assessora jurídica do SindusCon-SP, Rosilene Carvalho Santos. O FAP é o multiplicador do Seguro de Acidentes do Trabalho (SAT), e que pode elevar ou diminuir esse valor, de acordo com a situação individual de cada empresa em relação a acidentes e doenças do trabalho.

O SAT agora denomina-se RAT (Riscos Ambientais do Trabalho). A sua alíquota para a construção civil é de 3% sobre a folha de pagamento. A partir de 1º de janeiro, esse percentual será multiplicado pelo FAP, que vai de 0,5 a 2, de acordo com a avaliação da empresa feita pelo Ministério da Previdência. Segundo o vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do SindusCon-SP, Haruo Ishikawa, os primeiros levantamentos indicam que as empresas da construção terão o seu RAT arbitrariamente majorado a partir de 1º de janeiro, ou terão uma redução menor do que deveriam.

Rosilene esclarece que, na construção civil, o RAT normalmente não é acrescido de um adicional de 12%, 9% ou 6%, aplicado quando o trabalhador possa gozar de aposentadoria especial. Isto porque em geral a construção civil não é considerada atividade insalubre ou perigosa que enseje aposentadoria especial.

Fonte: www.protecao.com.br

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Lula regulariza quilombolas em Cabo Frio

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou no dia 20 de novembro, em Salvador, 30 decretos regularizando a ocupação de 342 mil hectares de terras por 3.818 famílias quilombolas. A medida abre caminho para que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), avalie o valor das propriedades e indenize seus donos, entregando os títulos de posse aos quilombolas. Dentre os territórios abrangidos no ato presidencial, estão as localidades de Preto Fôrro, em Cabo Frio (Região dos Lagos), e São José da Serra, em Valença (Médio Paraíba), ambas no Rio de Janeiro.

Os dois antigos quilombos no estado reúnem 43 famílias, que receberão títulos de regularização de posse de terra. As demais propriedades beneficiadas no país ficam em Pernambuco, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Maranhão, Paraíba, Alagoas, Bahia, Rio Grande do Norte, São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Todos os moradores terão acesso aos programas federais Bolsa Família; Minha Casa, Minha Vida; Cozinhas Comunitárias e ao Programa Nacional de Fortalecimento de Agricultura Familiar (Pronaf).

— Embora todo cidadão tenha esses direitos garantidos na Constituição e nas leis, a titulação das terras lhes dará mais garantias e resgatará uma dívida histórica do brasileiro para com as comunidades. Essa é a importância do título — afirmou o presidente do Incra, Rolf Hackbart.

Fonte: Extra Online

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Eleições no PT

Ontem foi dia de exercer a democracia petista no PED (Processo de Eleições Diretas) em todos os níveis. Foram escolhidos os presidentes nacional, estaduais e municipais e além das direções nos três níveis.

Em Cabo Frio, foi eleito o Alcebíades Terra (Bid) para presidir o partido nos próximos três anos. Ele obteve 287 votos contra 108 do companheiros Zé Marcos.

Em São Pedro da Aldeia, foi eleito o Carlos Roberto Martins (FOFÃO) que venceu a disputa com o Josué Lima.

Em Arraial do Cabo, o eleito foi o Carlos Roberto (PICA-PAU) que venceu a disputa com o Professor José Otávio.

Em níveis estaduais e nacional, os resultados deverão ser conhecidos hoje.

Parabéns PeTistas !!!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Detran em Cabo Frio, cadê ???

É impressionante como a cidade de Cabo Frio com mais 180 mil habitantes não tem um posto do Detran para fazer o exame teórico para renovação de carteira de motorista.

A Região dos Lagos conta apenas com um posto localizado em Araruama e para conseguir uma vaga, o postulante a renovação da CNH tem madrugar para conseguir uma ligação para agendar o serviço.

Cadê os Deputados da Região que não lutam por mais um posto ???

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Excesso de trabalho pode causar problemas físicos e psicológicos

Como é possível saber se estamos trabalhando demais? O que é excesso de trabalho para um, pode não ser para outro. Por isso, é importante refletir sobre quais são os limites físicos e psicológicos.

Tem ficado extremamente cansado? Com dores no corpo? Dor de cabeça? Muita sonolência? O trabalho está sem sentido? Às vezes, nem tem vontade de ir trabalhar. Esses podem ser indícios de que está com uma carga de trabalho muito pesada.

“Na década de 90, nós tínhamos um grande aumento de lesões por esforços repetitivos. Para o século XXI, posso dizer com segurança que as questões dos aspectos psicológicos são as que estão influenciando mais a vida dos trabalhadores” explica a médica Vera Zaher.

Pelos números dos auxílios-doença do Ministério do Trabalho, os problemas musculares continuam liderando o ranking de pedidos de licença. De 2006 para 2008 houve um aumento de mais de 500% (de 19.956 para 117.353).

Mas o que vem chamando a atenção dos médicos nos últimos anos é que a ocorrência de doenças relacionadas ao sistema nervoso está cinco vezes maior. Em dois anos subiu de 1.835 para 9.306 pedidos.

E nesse mesmo período, os transtornos mentais e comportamentais tiveram um aumento de mais de 1.900%. Foram pouco mais de 600 pedidos de licença para mais de 12 mil (de 612 para 12.818).

No final de 2007, Hellen Taynan passou em um concurso para ser técnica em administração e finanças de uma Farmácia Popular. Assim que assumiu o cargo a função não era o que esperava. Ela serviu de atendente e faxineira.

Com dois meses, começou a desenvolver sintomas como taquicardia, crise de asma e pressão alta. Hellen procurou um psiquiatra que diagnosticou depressão profunda e ansiedade generalizada. Desde então, ela está há cinco meses afastada do trabalho.

“Me sinto melhor depois das medicações e do acompanhamento terapêutico. Entretanto, só vou me sentir bem e realizada quando conseguir voltar a trabalhar em uma função que eu goste, que eu saiba fazer. Hoje, o que quero é minha vida profissional de volta”, conta Hellen.

O excesso de trabalho pode ser dado pela empresa como no caso de Hellen. Mas, o funcionário também pode tomar para si cada vez mais tarefas e acabar sobrecarregado. Por isso, vale ficar atento a algumas coisas.

“Aprenda a conhecer os seus limites: tem horários para entrar, horário para sair, conheça seu trabalho, saiba o que você está fazendo dentro do ambiente, tenha prazer no que faz. Com isso eu posso afirmar que uma boa parte do campo físico, das patológicas, a gente pode evitar nessa comparação excesso de trabalho e saúde”, completa a médica.

Fonte: Proteção.com

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Semana da Consciência Negra

O Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro, é feriado em mais de 350 cidades do País, conforme levantamento da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) ligada à Presidência da República. A data lembra o dia em que Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares e um dos principais símbolos da resistência negra à escravidão, foi assassinado, em 1695.

A intolerância racial é um dos muros a serem derrubados neste século XXI.

Domingo na Praia do Forte

Ontem, 15/11/2009, fui a Praia do Forte curtir o maravilhoso dia de Sol e água estava deliciosa. Com a praia lotada, conheci um vendedor que está na praia há 28 anos, o Grandão dos Óculos é um "figuraça". Esse cearense radicado em Cabo Frio falou que trabalhando nas areias do Forte deu oportunidade para que sua filha se formasse em Direito e passasse para o concurso da promotora pública. Parabéns esse batalhador das praias de Cabo Frio !

Tá pintando o HEXA !!!

O Flamengo deu mais um passo rumo a conquista do Hexacampeonato Brasileiro. A vitória de ontem sobre o Náutico deixou o rubro-negro carioca a dois pontos do São Paulo que vencera o Vitória no sábado. Agora, o Flamengo depende de um tropeço dos são-paulinos e vencer os jogos restantes para conquistar o título brasileiro que não vem há 17 anos. Vamos Botafogo, ganhe do São Paulo e fuja do rebaixamento!!!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Professores de escolas públicas de MG reclamam de falta de segurança no trabalho

A Globominas.com publicou uma matéria onde professores de escolas públicas do estado mineiro reclamam da falta de segurança para trabalhar. Alguns receberam ameaças de morte e tiveram que ser afastados do serviço.

Carro arranhado e na carta, a ameaça de morte. A vítima seria a filha de três anos desta supervisora de escola. A violência nas escolas tem preocupado educadores da rede estadual de ensino. Em março deste ano, um aluno foi assassinado na porta da Escola Estadual Mendes Pimentel, em Belo Horizonte. Na mesma semana, este outro estudante foi atingido no ombro por uma bala perdida. Ele estava dentro do colégio Estadual Central quando foi baleado.

Na semana anterior, um traficante foi morto com 15 tiros, no pátio desta escola, em Betim. Em maio, uma professora de Juiz de Fora foi agredida por um aluno durante as aulas.

Remanejamento de funcionários, transferências de estudantes são algumas das providências tomadas para resolver casos de violência, de ameaça nas escolas. Mas, segundo os especialistas em educação, são medidas paliativas, que não garantem uma condição fundamental para o ensino: a segurança dos educadores.

Uma professora da rede estadual também foi ameaçada e agredida por uma aluna. Hoje, está afastada do trabalho e faz tratamento psicológico.

Histórias como esta, segundo a secretaria de estado de educação de MG, são exceções. As situações extremas são analisadas caso a caso.

Alguns programas de inclusão social foram criados para reduzir a violência escolar.

Aqui no Estado do RJ não é diferente essa situação, ou é até pior. E na nossa Região dos Lagos vemos casos como do Ciep 150 no bairro Manoel Correa e escolas do bairro Jacaré, ambas em Cabo Frio serem fechadas por causa de confluitos de traficantes com polícia. Como fica o estado psicológico dos professores que trabalham nesses lugares?

Ameaças de alunos a professores são mais frequentes que pensamos. A falta de estrutura familiar desses alunos é a principal origem de muitos desses problemas, pois o professor tem ensinar as matérias básicas mais a educação pessoal que deveria vir de casa.

Está aberto o debate, entre e deixe seu comentário.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Os Muros do Século XXI

Hoje, 09/11/2009, completa 20 anos da queda do Muro de Berlim que simbolizava a divisão do mundo em capitalista e comunista, fruto da Guerra Fria instalada no após a Segunda Guerra Mundial.

A História do Muro de Berlim

O Muro de Berlim (em alemão Berliner Mauer) foi uma barreira física, construída pela República Democrática Alemã (Alemannha Oritental) durante a Guerra Fira, que circundava toda a Berlim Ocidental, separando-a da Alemanha Oriental, incluindo Berlim Oriental. Este muro, além de dividir a cidade de Berlim ao meio, simbolizava a divisão do mundo em dois blocos ou partes: República Rederal da Alemanha (RFA), que era constituído pelos países capitalistas encabeçados pelos EUA; e República Democrática Alemã (RDA), constituído pelos países socialistas simpatizantes do regime soviético.

Construído na madrugada de 13 de Agostos de 1961, dele faziam parte 66,5 km de gradeamento metálico, 302 torres de observação, 127 redes metálicas electrificadas com alarme e 255 pistas de corrida para ferozes cães de guarda. Este muro provocou a morte a 80 pessoas identificadas, 112 ficaram feridas e milhares aprisionadas nas diversas tentativas de o atravessar.

A distinta e muito mais longa fronteira interna alemã demarcava a fronteira entre a Alemanha Oriental e a Alemanha Ocidental. Ambas as fronteiras passaram a simbolizar a chamada "cortina de ferro" entre a Europa Ocidental e o Bloco de Leste.

Antes da construção do Muro, 3,5 milhões de alemães orientais tinham evitado as restrições de emigração do Leste e fugiram para a Alemanha Ocidental, muitos ao longo da fronteira entre Berlim Oriental e Ocidental. Durante sua existência, entre 1691 e 1989, o Muro quase parou todos os movimentos de emigração e separou a Alemanha Oriental de Berlim Ocidental por mais de um quarto de século.

Durante uma onda revolucionária que varreu o Bloco de Leste, o governo da Alemanha Oriental anunciou em 09 de novembro de 1989, após várias semanas de distúrbios civis, que todos os cidadãos da RDA poderiam visitar a Alemanha Ocidental e Berlim Ocidental. Multidões de alemães orientais subiram e atravessaram o Muro, juntando-se aos alemães ocidentais do outro lado, em uma atmosfera de celebração. Ao longo das semanas seguintes, partes do Muro foram destruídas por um público eufórico e por caçadores de souvenirs, mais tarde, equipamentos industriais foram usado para remover quase todo da estrutura.

A queda do Muro de Berlim, abriu o caminho para a reunificação alemã, que foi formalmente celebrada em 03 de outubro de 1990. Muitos apontam este momento também como o fim da Guerra Fria. O governo de Berlim incentiva a visita do muro derrubado, tendo preparado a reconstrução de trechos do muro. Além da reconstrução de alguns trechos está marcado no chão o percurso que o muro fazia quando estava erguido.

Muros do Século XXI

A queda do Muro de Berlim simbolizou o fim da Guerra Fria, mas em pleno Século XXI muitos muros precisam ser derrubados. O muro do preconceito racial, o muro da intolerância religiosa, o muro dos preconceitos de gêneros como o caso da mulher que foi expulsa da Uniban-SP e outros muitos muros assombram a sociedade neste século da informação.

Refletir sobre a queda do Muro de Berlim é pensar em momentos de Paz. Derrubar muros e barreiras é nosso dever, mesmo que esses muros existam apenas nas mentes de pessoas hipócritas.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Caetano Veloso calado é um poeta!!!

Caetano Veloso para enalter e declarar seu apoio a Senadora Marina Silva (PV-AC), não precisava ofender o Presidente Lula. Cada um tem o direito de expressar sua vontade política, mas sem menosprezar os outros.

Quem conhece a história do Presidente Lula sabe que ele é um grande líder, pois um homem que saiu do Nordeste num pau-de-arara e se tornou o chefe da nação não tem nada de analfabeto.

O que incomoda essa falsa elite brasileira é que um "analfabeto" e não um "sociólogo" se tornou um dos grandes líderes mais respeitados do cenário internacional. Portanto, Caetano Veloso faça sua campanha para a Marina Silva sem menosprezar a história do maior Presidente do Brasil de todos os tempos.

Veja uma frase preconceituosa do Caetano em entrevista ao "Estado de São Paulo":

  • "Ela é meio preta, é cabloca, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula."

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Centrais defendem Fator Acidentário de Prevenção e Seguro Acidente

As centrais CUT, CGTB, CTB, Força Sindical, NCST e UGT lançaram nota conjunta em defesa do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) e do Seguro Acidente de Trabalho (SAT), medidas que têm sido alvo constante de ataques do empresariado reacionário, capitaneado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na semana passada, a entidade empresarial chegou a exigir a revogação do Decreto nº 6957/2009, editado pelo Ministério da Previdência, que cria o FAP e reajusta o SAT.

A Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT) apoia a posição das centrais sindicais em defesa do FAP, por entender que trata-se de um avanço importante para a saúde e segurança dos trabalhadores brasileiros.

No documento, as centrais esclarecem que "o Fator Acidentário de Prevenção é um instrumento eficiente", pois "premia aquelas empresas que tiverem políticas efetivas de prevenção em saúde e segurança no trabalho diminuindo a alíquota do SAT em até 50%. E pune aquelas empresas que não o fazem, aumentando a alíquota".

"Nos posicionamos a favor do citado decreto, já que é um avanço no sentido de fortalecer a prevenção de acidentes e adoecimentos do trabalho", afirmam as centrais. A nota esclarece que em 2007 foram registrados 653,1 mil acidentes de trabalho, representando um aumento de 27,5% em relação a 2006.

"Morreram 2.804 trabalhadores (as) e 8.504 foram incapacitados permanentemente. Esses números da Previdência Social demonstram a extrema necessidade de uma política pública ofensiva para diminuí-los".

"A CNI ao se posicionar contra o decreto, na verdade, defende as empresas que adoecem, incapacitam, acidentam e matam trabalhadores. Empresas que jogam para toda a sociedade através da Previdência Social o custo da sua irresponsabilidade! Sem contar as vidas e famílias destruídas!".

As Centrais denunciam essa "irresponsabilidade para com a vida dos trabalhadores" e reafirmam sua luta em defesa de todos os instrumentos, "que efetivamente previnam o acidente e o adoecimento no trabalho".

Fonte: CUT / www.protecao.com.br

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

PT aciona o Ministério Público por causa Banheiroduto

O Partido dos Trabalhadores de São Pedro da Aldeia apresentou, na última quinta-feira (29/10/2009), uma denúncia ao MP a respeito das possíveis irregularidades da obra de construção dos banheiros na Câmara Municipal de Vereadores de São Pedro da Aldeia no valor de mais de R$ 333 mil.

O documento que foi aprovado em reunião da Executiva do partido com a presença do líder do PT na Câmara, o vereador Adalberto Amaral, solicita a abertura dos processos cabíveis contra os responsáveis pelas irregularidades, de forma a devolver o dinheiro público e a punir os culpados pela sua possível malversação e improbidade administrativa.

A entrega do documento foi feita pelo presidente do partido Sérgio Rodrigues dos Santos e pelo Professor Marcos Salaibe à promotoria de Tutela Coletiva do MPE, em Araruama, protocolado sob o nº PG 91.489.

A obra está sendo executado pela empresa de propriedade do filho do presidente do PTC, partido do atual Presidente da Câmara, o vereador Agnaldo Sodré.

A população aldeense está indignada com essa obra, pois gastar mais de R$ 333 mil para construir banheiros para os nobres edis não é prioridade da população que precisa de casas populares, calçamentos de ruas e outras obras de mais necessidade.

Parabéns a direção do PT aldeense pela iniciativa, pois com essa atitude o partido não foge das origens de luta e fiscalização do dinheiro público.

Construção civil recebe nova publicação elaborada por consultor da OIT

De autoria de Luis Alves Dias, consultor da OIT, a publicação Inspecting Occupational Safety and Health in the Construction Industry, sobre Segurança e Saúde na indústria da construção, pretende contribuir para a melhoria contínua das condições de trabalho nos canteiros de obras, tendo por base os valores consignados nas Convenções, Recomendações e Códigos de Prática da OIT.

Apresenta uma abordagem sistêmica para as ações de inspeção aos canteiros de obras, com vista a facilitar e promover a intervenção nessas ações de técnicos especializados na área da construção. Trata-se de uma abordagem que se baseia nos princípios internacionais das auditorias a sistemas de gerenciamento com as necessárias adaptações às inspeções, no âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho.

Alguns exemplos apresentados na publicação baseiam-se em normas técnicas da União Européia, devendo assim ser adaptadas, levando-se em conta as normas nacionais equivalentes de cada país.

Esta publicação pretende de alguma forma ser útil às inspeções do trabalho e a todos aqueles que realizam auditorias de sistemas de gerenciamento da Segurança e Saúde no Trabalho nas empresas de construção e nos canteiros de obras.

Disponível para download em PDF, a publicação poderá ser acessada no subsite da Fundacentro, em “Programa de Engenharia da Construção Civil” (PROESIC), no link da Fundacentro/PROESIC, ou no portal institucional, em www.fundacentro.gov.br, em “notícias”.

Fonte: ACS - Fundacentro/MTE

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Árvores em parques são mais benéficas contra poluição, diz pesquisa

O organismo humano está mais protegido da poluição perto de árvores localizadas dentro de parques do que ao lado daquelas que estão fora. É o que vai mostrar a tese de doutorado a ser defendida no próximo mês no Laboratório de Poluição Atmosférica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

O estudo mostra que a concentração de metais pesados e gases poluentes no ar é maior nos trechos das áreas verdes próximos a avenidas do que no meio dos parques. O que provoca essa diferença é uma espécie de filtro antipoluição, formado principalmente pelas árvores do entorno dos parques. Elas sequestram e absorvem nas cascas os poluentes, impedindo-os de avançar para o interior dessas áreas.

A constatação foi feita pela engenheira florestal Ana Paula Martins, de 34 anos, que estudou por quatro anos amostras de cascas de árvores de cinco parques de São Paulo: Trianon e Luz, no centro, Previdência, na zona oeste, e Ibirapuera e Aclimação, na zona sul. De acordo com o trabalho, nenhum dos locais está imune a pelo menos 11 metais, mas a concentração varia conforme a localização. O índice de chumbo no Ibirapuera, por exemplo, é de 13,5 mg/kg, enquanto no Previdência, que beira a Rodovia Raposo Tavares, a quantidade é de 3,9 mg/kg.

Para chegar aos índices, Ana Paula coletou amostras de cascas da camada externa das árvores. Retiradas para análise laboratorial, tais cascas ficavam a 1,5 metro de distância do solo. "O ar traz os poluentes, que ficam depositados nas cascas", explica Ana Paula.

Concentração de poluentes

As árvores que apresentaram maior concentração de poluentes beiram avenidas com grande fluxo de tráfego, como a Avenida Paulista, onde fica o Parque Trianon. Com isso, segundo a engenheira, é possível identificar os tipos de veículos que trafegam próximo a cada área verde e confirmar o efeito do tráfego na qualidade do ar.

A engenheira diz que o escapamento, a freada e o arranque dos carros, que soltam pedaços de pneu, são responsáveis por liberar partículas de metais. "Zinco, chumbo e cobre são provenientes da poluição veicular", diz.

A dosagem dos metais nas cascas das árvores pode ajudar a elaborar um quadro dos tipos de poluentes existentes, já que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) faz a medição só dos gases e não indica a concentração ideal desses metais para evitar males a saúde.

Embora não haja um padrão dos níveis saudáveis desses elementos, especialistas afirmam que inalar metais pesados, como bário, bromo e cobalto, entre outros, pode trazer, a longo prazo, problemas à saúde, como câncer, em casos extremos. "Encapar as avenidas com cobertura vegetal pode diminuir o impacto da poluição na saúde, além de aumentar a qualidade do ar", explica Paulo Saldiva, pesquisador do Laboratório de Poluição da USP e orientador da tese.

Fonte: Agência Estado

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Trabalhadores têm medo de tirar férias

Depois da mala pronta e com a viagem marcada, é preciso uns dez dias para conseguir relaxar de verdade. Uma pesquisa feita com trabalhadores de São Paulo e Porto Alegre chegou a essa média e mostrou que tem muita gente com medo de tirar férias. Isso tem nome: é o que os pesquisadores chamam de fobia de tirar férias.

Parece até brincadeira, mas não é. Dos entrevistados, 38% falaram que as férias são encaradas como um período estressante. As principais razões são: ninguém notar a falta deles durante as férias, receio que possa acontecer mudanças de cargos ou de responsabilidades, cortes de pessoal na empresa e até porque decisões importantes podem ser tomadas sem eles estarem na equipe.

“A pessoa que não consegue relaxar nas férias é aquela que, quando vai à praia, está com o celular e o notebook conectado na internet. Essa pessoa que esta de fato muito estressada, sofrendo com essa epidemia do milênio que é o estresse. A identidade dela esta diretamente atribuída à sua função profissional. Esse é o tipo que sofre mais para parar nas férias”, diz Marta Sconhorst, gestora de pessoas.

Em empresas de pequeno porte, pode-se até planejar as férias alguns meses antes. Em empresas maiores, o ideal é com um ano de antecedência. Porém, de nada vai adiantar se organizar se há o medo de ficar sem fazer nada. “Essas pessoas precisam, de fato, procurar ajuda, procurar uma atividade que dê prazer, procurar ajuda médica, muitas vezes. Para se livrar dessa tendência que a gente vive hoje de estressar-se”, diz Marta.

Quem tem negócio próprio, não depende de ninguém para planejar as férias, mas, às vezes, esse período de descanso vira uma dor de cabeça. O comerciante Eugênio Martini acha isso. Ele tem uma loja onde vende aparelhos telefônicos, no centro de Vitória. Ele trabalha lá há 18 anos e não se lembra quando foi a última vez que tirou férias.

“Quem me dera, não tiro férias não. Nunca tirei, infelizmente, não tem como. A gente tem um comércio pequeno e a gente fica com a preocupação de dar errado e acabar fechando as portas. Então a gente tem que trabalhar muito, às vezes até no final de semana. A gente se sente cansado, gostaria de tirar férias, porque a família exige isso, mas não tem como. Hoje, o mercado está muito competitivo, muita concorrência e a gente tem outros problemas. Um dia um assalto, um dia um prejuízo e a gente tem que correr atrás”, diz.

Do prazer de tirar férias ao medo de tirá-las, muitos profissionais têm vivido o que os pesquisadores têm chamado de “fobia de tirar férias” (vacation phobia). As férias, tradicionalmente associadas ao relaxamento e ao descanso, têm sido apontadas como um período estressante.

A pesquisa foi realizada pela International Stress Management Association no Brasil (ISMA-BR), com 678 homens e mulheres profissionais, de 25 a 55 anos, em São Paulo e em Porto Alegre, identificou as principais causas da fobia de tirar férias e a probabilidade dos profissionais manterem os benefícios ganhos durante as férias quando retornam à sua rotina.

Dados coletados :

  • 10 dias para entrar em ritmo de férias
  • 10 dias usufruindo plenamente as férias
  • 10 dias antecipando o retorno às atividades

Por isso, vantagem de tirar férias mais curtas e mais freqüentes.

Dos 678 profissionais entrevistados, 38% indicaram medo de tirar férias. Razões:

  • 46% decisões importantes podem ser tomadas na empresa durante suas férias
  • 32% possibilidade de mudanças de cargo ou responsabilidades devido às fusões e aos enxugamentos
  • 19% enxugamento na empresa
  • 3% ninguém sentir a falta do profissional em férias

Manutenção dos benefícios das férias após retorno à rotina pelos 678 profissionais:

  • 76% perdem os benefícios em uma semana
  • 16% integram os benefícios adquiridos à sua rotina
  • 6% retornam no mesmo nível de stress pré-férias
  • 2% dos profissionais retornam mais estressados

Fonte: Protecao.com.br

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Vivendo a Vida.

Ao estilo do Zeca Pagodinho, "Deixe a vida me levar ...", hoje, em plena segunda-feira, realizamos um passeio de barco maravilhoso em Búzios.


Eu, de férias, e minha esposa, professora de folga por causa do feriado dos servidores, curtimos um dia espetacular nesse paraíso da Região dos Lagos, Búzios.


Viver a vida, esse é o nosso lema !!!


sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Gênero e Diversidade na Escola

por Maristela Oliveira (*)

Durante muitos anos, a sociedade viveu momentos de extrema insegurança a cerca da problemática que envolveu as questões relacionadas à diversidade no âmbito escolar. Pensar tais questões trariam a tona muitos estigmas que faziam parte da sociedade à séculos e com isso, deixaram de fazer suas inferências.

Com o passar dos anos e com as mudanças que o mundo vinha sofrendo, certamente o ambiente escolar também precisaria mudar. Não devemos pensar apenas nas questões da diversidade como também o gênero, a sexualidade, orientação sexual e relações étnico-raciais. Todos estes âmbitos sofreram e ainda sofrem muito com processos de discriminação que partem muitas vezes da própria família.

Ao falar sobre gênero a primeira coisa que vem a mente é como as transformações influenciaram o comportamento dos seres humanos no século atual. Porém, muitos não pensam nas mudanças ou quando isso parece, pensava-se que tudo não passara de um grande preconceito de época, mas que fazia parte daquela sociedade. Até chegarmos ao modelo que temos hoje, muitos tabus foram postos abaixo e com isso os conceitos foram sendo aos poucos traçados. Não devemos esquecer que a família exerce um papel importante em tudo, pois através dela muitos conceito e padrões são postos a prova, ou seja, muito do que a família ensina para seus filhos ficam para a vida toda, então, podemos dizer que também os preconceitos.

A sexualidade e a orientação sexual também fazem parte dos conceitos ensinados pela família. Percebemos hoje em dia que muitas pessoas possuem um pensamento próprio a cerca do que aparentemente é certo ou errado, do que pode ou não pode, mas vemos também que a família muitas vezes norteia isso. Ao analisar o futuro de seus filhos através do que o pai ou mãe conhece ou diz conhecer sobre o mundo é certamente podá-los e fazer com que estes não tenham sua própria identidade. É fazer com que sejam marionetes e que estejam sempre na contramão das mudanças.

Transformando o pensamento dos adolescentes, certamente estes se tornarão jovens conscientes do papel que exercem na sociedade. Através disso, estes poderão atuar com mais afinco com relação às questões que necessita um maior entendimento destes.

(*) Professora de Língua Portuguesa da Escola Agrícola Municipal Nilo Batista, Cabo Frio - RJ.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Publicado o Edital do Concurso de Cabo Frio

A Prefeitura de Cabo Frio publicou no jornal Noticiário dos Lagos, na edição de hoje, o edital do concurso para preenchimento de mais 2000 vagas distribuídas pelas áreas de educação, saúde e meio ambiente, nos níveis fundamental, médio, técnico e superior.

As inscrições serão realizadas via Internet, pelo site www.conesul.org, no período da zero hora do dia 22/10/ 2009 às vinte e quatro horas do dia 20/11/ 2009. Nesse site, também, serão obtidas informações sobre este Edital e seus anexos.

Para os candidatos que não possuem acesso á Internet será disponibilizado um Posto de Atendimento situado na Rua Florisbela Rosa da Penha, nº 292, Bairro Braga, CEP 28.908-050 – Cabo Frio – RJ, no horário de 9:00 às 16:00 – Sala da Coordenadoria Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Universitário.

O valor das inscrições será por nível de escolaridade:

  • Nível Fundamental (completo ou não) - R$ 32,50 ;
  • Nível Médio - R$ 52,50;
  • Nível Superior - R$ 77,50.

Parabéns a Prefeitura de Cabo Frio por realizar um amplo concurso, porém os salários estão muito baixos. Por exemplo, o salário do engenheiro civil e do engenheiro ambiental é de R$ 1.942,05 para uma carga horária de 40 horas semanais.

__________________


Seja Cliente do Banco de Sangue !!!



terça-feira, 20 de outubro de 2009

Dnit propõe fim do BDI

Diretor geral do DNIT aponta avanços com a padronização dos editais de licitação de obras e propõe o envolvimento de entidades de classe na discussão de temas polêmicos, como o fim do BDI.

A padronização dos editais de licitação de obras do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) simplificou o processo das concorrências, acelerou o ritmo de contratações e reduziu os questionamentos jurídicos. Essa é a avaliação do diretor-executivo do órgão, Luiz Antonio Pagot, para quem "a ação conjunta do DNIT com o Tribunal de Contas da União foi decisiva para que se pudesse implementar com o êxito que o edital tem hoje". Até o fechamento desta edição, um total de R$ 6,5 bilhões já havia sido contratado via editais padrão de licitações de obras e serviços.

Nesta entrevista exclusiva, Pagot defende maior desburocratização na licitação de obras públicas e afirma que o prazo de contratação já foi reduzido em mais de 120 dias com a padronização dos editais, em vigor desde o primeiro trimestre de 2008. O DNIT produziu três modelos básicos de edital: Menor Preço para Construção e Reconstrução; Técnica e Preço para Projetos, e Técnica e Preço para Supervisão. Esses editais podem ser realizados tanto por concorrência quanto por tomada de preço, com ou sem a participação de consórcio. Ao todo, oferecem ao construtor 12 possibilidades de escolha.

Para acelerar ainda mais o ritmo das contratações e garantir maior transparência ao processo licitatório, Pagot defende a extinção do BDI (Benefícios e Despesas Indiretas), propondo que os valores sejam inclusos no preço direto para orçamentação. A intenção do diretor geral do DNIT é envolver o poder público e as entidades de classe em uma ampla discussão para tratar desse e outros temas polêmicos que rondam as obras públicas.

Em fevereiro, o senhor convocou a imprensa e ameaçou as empreiteiras responsáveis por obras em rodovias federais com uma rescisão unilateral dos contratos. Atribuiu a elas o atraso nas obras, afirmando que a maioria havia assumido compromissos acima da capacidade de execução. Funcionou?

Nem imaginava que teria essa repercussão. Houve um evento em Minas Gerais, em que convoquei todos os empreiteiros que estavam realizando obras lá e fiz essa advertência a eles, dando um prazo até maio. Foi impressionante. Na época, falei que era questão de manutenção rodoviária; não admitia que as empresas ficassem fazendo corpo mole com isso. Ficaram atemorizados de entrar nessa "lista negra". Também adotamos outra medida aqui no DNIT que é a avaliação das empreiteiras na execução das obras. Hoje se emite um relatório de avaliação.

Com qual regularidade?

A cada obra é preenchido um relatório de avaliação. Temos uma ficha de avaliação de desempenho da obra, preenchida pelo fiscal de campo. Se a empresa não atingir os índices mínimos exigidos, não poderá fazer parte de processos licitatórios futuros. Até que consiga corrigir seus defeitos.

Como a empreiteira poderia se reabilitar?

Pela demonstração de que ela se recuperou na qualificação profissional, na execução do serviço. Na própria ficha, há o instrumento para isso. Mas esse procedimento já era praticado pelo antigo DNER [Departamento Nacional de Estradas de Rodagem] e apenas reeditamos de uma maneira mais moderna.

Em contrapartida, muitas empreiteiras atribuem à deficiência de projetos básicos, o motivo de pouca celeridade das obras públicas. Recentemente, o DNIT publicou editais padrões para licitação de obras. Essa padronização combate os problemas comuns de elaboração de projetos básicos insuficientes?

De 2005 para cá, foi iniciado um número muito grande de obras, na grande maioria, com projetos básicos e antigos, alguns com origem até no DNER. E mesmo alguns que foram revisados trouxeram no seu bojo alguns problemas. Mas, no transcorrer das obras, fomos transformando projetos básicos em executivos, tentando minimizar problemas. Já os projetos novos não nascem com esses problemas.

Por quê?

Lançamos uma licitação para 26 mil km de projetos Crema [Contratos de Recuperação e Manutenção das Rodovias] primeira etapa, também chamado de PIR-4, com custo de aproximadamente R$ 200 mil/km, e só estamos licitando a obra depois de fazer a execução dos projetos. Então, esses projetos vão oferecer infinitamente menos problemas. Também licitamos os projetos Crema segunda etapa, que são projetos para cinco anos de execução de obra de manutenção rodoviária. São 32 mil km de projeto a um custo aproximado de R$ 500 mil/km. Com certeza, esses projetos não vão nos oferecer mais problemas. Problemas temos basicamente em projetos e contratos anteriores a 2003.

Então, o senhor acredita que, com a padronização dos editais, os questionamentos jurídicos tendem a ser amenizados?

Com certeza. Não só com a padronização dos editais, mas também com a nova metodologia que passamos a desenvolver de iniciarmos a obra a partir do projeto executivo. Desde outubro de 2003, exatamente quando entrei no DNIT, aqui não se começa mais obra com, apenas, o projeto básico.

Como foi implementada e desde quando está valendo a padronização dos editais?

A partir de outubro de 2007, após a edição da instrução normativa 004/2007 do Ministério dos Transportes, o DNIT começou uma série de estudos, junto com a CGU [Controladoria Geral da União] e o TCU [Tribunal de Contas da União], com o objetivo de fazer um edital padrão. Consultamos inclusive a sociedade civil organizada sobre isso. A partir do primeiro trimestre de 2008, passamos a adotar o modelo. Entre março e julho de 2008, tivemos alguns problemas, até que todo mundo entendesse a metodologia. Mas após o debate e uma série de cursos para as empresas que participavam do processo licitatório, conseguimos estabelecer um amplo funcionamento desse edital padrão.

E como tem sido o desempenho?

Nos últimos oito meses de licitações, foi muito bom. Num total de R$ 6,5 bilhões de licitações, tivemos apenas dois problemas pequenos: 1) BR 452/GO - a empresa vencedora entrou com, aproximadamente, 30% de desconto. Não aceitando firmar o contrato, nos obrigou a nova licitação; 2) Problema de discussão jurídica na contratação dos serviços do gerenciamento das obras do edital 175/2009 (Rodoanel de São Paulo). Considero um êxito não só o procedimento do edital padrão, mas, principalmente, a nova metodologia que adotamos na CGCL (Coordenadoria Geral de Cadastro e Licitações), que é menos burocrática e mais ágil nas análises e homologação de resultados. Posso dizer que o prazo de contratação encurtou em mais de 120 dias.

O que mudou nos editais em relação aos anteriores?

Todos os itens que têm de constar nos editais estão rigorosamente programados em uma sequência, que vai desde a parte da documentação até a de orçamento. Antigamente, existia muita controvérsia em relação ao ordenamento e alguns editais não abrangiam o todo. Agora isso acabou. Hoje há duas partes definidas, documentação e proposta orçamentária, e todas elas têm de ser preenchidas, de maneira que fique claro o que se quer licitar, prazos, valores orçamentários, solicitações de atestados, entre outras questões.

Quais as diferenças entre os editais nas diversas modalidades de contratação?

Temos editais para contratação de projeto, de serviço e de obra. Basicamente, essas são as três modalidades. O edital de obra - o mais completo e detalhado - exige que todos os insumos sejam contemplados: homem-máquina, hora-máquina etc., e todos os estágios de uma obra, passando pela execução das etapas de terraplanagem, pavimentação, drenagem. O edital de projeto, além de trazer os objetivos, é mais simples, com especificidades para o tipo de projeto - ferroviário, hidroviário e rodoviário. Já as características do edital de prestação de serviço são definidas em função do tipo de serviço e de aquisição que será feito. Em aquisição de insumos, normalmente, para o melhor funcionamento do órgão, temos utilizado pregão eletrônico. Na questão orçamentária, que é uma parte importante e tem de ser apresentada com os atestados técnicos, há editais que são de menor preço e editais de técnica e preço. Normalmente, utiliza-se técnica e preço para projetos, e menor preço para obras.

Os editais oferecem estreitos limites de tolerância para descontos, evitando práticas de mergulho de preço?

Não podemos estabelecer se o candidato pode mergulhar muito ou pouco e qual o desconto ele vai dar no processo licitatório. Tenho certeza de uma coisa: empresas que ultrapassam 10% de desconto dificilmente vão conseguir entregar sem ter prejuízo, porque os custos estão cada vez mais apurados, as tabelas Sicro (Sistema de Custos Rodoviários) cada vez mais evoluí das e os levantamentos de preço são extremamente próximos da realidade do mercado. Se as empresas se atreverem a fazer uma redução muito grande de preço, elas certamente não vão conseguir fazer a obra. Vão causar problemas constantes, solicitando aditivos, redefinições e assim por diante.

Mas há, nos editais padrões, mecanismos mais rigorosos para evitar a prática de subpreço do que prevê a Lei 8.666?

A lei é muito flexível. Ela não estabelece preço mínimo nem preço máximo. Fazemos um levantamento, colocamos o edital na praça em função dos custos estabelecidos na tabela Sicro e no orçamento do projeto. Agora, em alguns casos, se a empresa mergulha muito, dobramos a solicitação de caução. Nosso medo é que as empresas que dão desconto elevado acabem provocando uma distorção. E estamos tentando corrigir isso requisitando uma caução extra desde outubro de 2007.

Nos editais padrões, foram estabelecidos critérios de aceitabilidade de preços unitários?

Mediante o projeto, se faz um orçamento com base na tabela Sicro, que é constantemente atualizada. Não temos uma segunda avaliação. Projeto pronto, projeto aprovado, projeto orçamentado; sai da diretoria de projeto e vai para a diretoria de infraestrutura rodoviária; é emitido o parecer e vai ser licitado.

Houve padronização do índice de preço?

A tabela Sicro que está em uso hoje é a Sicro 2. Já evoluímos para a Sicro 3, que está em consulta no mercado. Em setembro iniciamos a consulta e agora, a partir de outubro, lançamos os próximos editais já dentro da Sicro 3, depois de as tabelas serem exibidas à CGU, ao TCU, ao mercado.

A padronização dos editais também evitará a criação de regras casuísticas, abrindo-se brechas para participação de algumas empresas, em preferência a outras?

Essa é uma questão de atestado. Regulamos essa matéria junto com o TCU. Reduzimos bastante a necessidade de apresentação de atestados, e isso democratizou o processo licitatório e permitiu que mais empresas participassem. O ideal seria que as empresas tivessem mais responsabilidade, mais disciplina e não se atrevessem a participar de obras para as quais não têm capacidade técnica nem qualificação profissional. Enfim, o ideal é que não precisássemos de atestado nenhum e tudo fosse licitado por menor preço, e não por técnica. Mas ainda estamos muito longe dessa perfeição, tanto por parte das empreiteiras de obras rodoviárias quanto das empresas de consultoria de projetos. Estamos muito aquém da autorregulação do setor. A requisição de atestados é diretamente proporcional à dificuldade da obra. Mais dificuldade, mais atestados. Ainda assim, temos reduzido muito as exigências.

Agentes do setor costumam dizer que os contratantes públicos não calculam adequadamente o BDI (Benefícios e Despesas Indiretas) porque acreditam que, em muitos casos, se trata apenas de lucro. Dizem ainda que tabelaram um BDI de 22% para todas as obras. Os editais padrões do DNIT trazem um BDI padrão por tipo de obra?

O primeiro grande questionamento é o que está no B e o que está no DI. Essa é a primeira pergunta a se fazer aos empreiteiros. Às vezes, tudo é transformado em planilha e não se tem o B, só o DI, ou o contrário. Eu, particularmente, defendo que se acabe com esse assunto chamado BDI.

Por quê?

Para que vá tudo para preço direto, tudo para orçamentação. Aí se deixa bem claro o que é índice de lucro, o quanto será tolerado de porcentagem de lucro, 10%, 11%, 15%... e acaba com essa discussão interminável. Às vezes, um BDI de 40% tem menos impacto na obra do que um de 19%. Depende do que está no B e do que está no DI. Acredito que acabar com o BDI traria uma transparência no processo. Com certeza aceleraria o ritmo de contratações. Outra coisa: diminuiria muito a discussão com o próprio TCU.

O senhor acredita que a extinção do BDI seria aprovada?

Isso tem de ser discutido. Fiz essa proposta em um fórum diretamente coordenado pela Secob [Secretaria de Fiscalização de Obras do Tribunal de Contas da União] e tivemos uma longa discussão sobre vários temas, inclusive sobre o BDI. A proposta foi apresentada no dia 1o de setembro, num fórum da Auditar [União dos Auditores Federais de Controle Externo].

A proposta foi bem aceita?

Não consegui ficar para o debate. Apresentei a proposta e houve uma ou duas manifestações positivas. Agora, como ordenar isso; não só o BDI, mas todas as outras questões que temos de revisar para o andamento das obras públicas? Tenho uma sugestão, que é organizar, com a sociedade civil, um grande mutirão em que CNT [Confederação Nacional dos Transportes], CNI [Confederação Nacional da Indústria], CBIC [Câmara Brasileira da Indústria da Construção], ABCE [Associação Brasileira de Consultoras de Engenharia], Crea [Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia] e outros sentassem em torno de uma mesa para discutir esses temas conflitantes das obras públicas. A sociedade civil organizada tem recursos e poderia contratar um trabalho a ser feito pelos maiores especialistas nacionais. Pessoas da mais alta qualificação que se debruçariam sobre todos esses temas conflitantes.

Entre os temas estaria o Índice de Conforto do Pavimento Rígido?

Sim. Algumas obras nossas apresentaram 280 mm/km [milímetros por quilômetro], outras 350, outras 410. E estamos tendo uma discussão com o TCU, que quer adotar uma regra internacional vinculada com uma regra nacional de 240 mm/km. Acreditamos que essa alternativa possa ser viável do médio para o longo prazo, mas não no curto prazo. Até porque não temos um disciplinamento sobre isso e não fizemos nenhuma exigência no edital de licitação. Para evitar esse tipo de polêmica, o ideal é que se consiga, por meio desse grupo de trabalho, ter um instrumento para balizar uma discussão com o TCU e verificar o que pode e o que não pode ser adotado.

O presidente Lula reclamou recentemente de supostos excessos do TCU, afirmando que "a máquina de fiscalização é muito mais eficiente que a máquina de execução". Citou como prova a diferença salarial entre um engenheiro do DNIT e um auditor do tribunal, que ganha quase três vezes mais. O senhor mesmo chegou a defender que o TCU deveria ter maior flexibilidade. Qual é o relacionamento entre DNIT e TCU?

O TCU tem que mudar sua metodologia; não é ser flexível não. O TCU tem que continuar com sua rigidez na fiscalização, mas tem que padronizar a fiscalização. E ele já está fazendo isso, tanto que, a partir do ano que vem tudo vai ser coordenado por Brasília. O que defendo são novas metodologias. E muitas vezes o ministro Ubiratan [Aguiar, presidente do TCU] está com a razão quando diz que é preciso mudar algumas leis; é verdade.

Mas qual o relacionamento entre DNIT e TCU?

Considero excelente. Só se consegue resolver os problemas nesse nosso Brasil enorme, com tantas coisas para construir, para evoluir, por meio do diálogo. Não vejo de outra forma.

Fonte: Pini.com

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Abuso de poder é característica mais comum de assédio moral

Expor ou constranger um funcionário ao ridículo, zombar de alguma característica da pessoa, isolar um funcionário do grupo, não repassar trabalho algum a ele, exigir tarefas que não tenham a ver com sua função - são alguns tipos de assédio moral. Esse tipo de assédio existe quando as pessoas são ridicularizadas no trabalho ou sofrem constrangimento e humilhações diante dos outros colegas.

A questão é bastante complicada e um gerador de problemas, contribuindo com um péssimo indicador da imagem empresarial, que pode se transformar, dependendo da gravidade da situação, em caso de polícia. Os apelidos que alguns colegas de trabalho colocam nos outros podem, também, ser considerados formas de assédio moral.

Marlene Ortega, psicóloga e diretora da Universo Qualidade, afirma que a característica do assédio moral mais comum, mas não a única, refere-se ao abuso de poder de um chefe em relação a um subordinado. “Quando o gerente, por exemplo, usa seu poder para menosprezar um membro da equipe através de palavras inadequadas, ofensivas, em ambientes públicos ou privados” destaca a psicóloga.
Ela orienta que nesses casos, a pessoa que sentir-se ferida, ou desrespeitada como ser humano, deve procurar o departamento de RH da empresa para apoiá-lo na solução do problema. “O assédio moral prejudica os envolvidos e aqueles que estão em volta, uma vez que torna pesado o clima no ambiente de trabalho e constrange a participação das pessoas. O colaborador pode até sofrer penalidades por ter revelado um problema corporativo difícil de resolver. Ninguém quer ter um caso desses para solucionar. No caso do líder envolvido, além de penalidades da empresa, pode também ter sua carreira seriamente prejudicada”, ressalta a psicóloga.

Hoje em dia, ainda está em elaboração a legislação sobre assédio moral no Brasil, mas alguns municípios já aprovaram projetos de lei contra a prática, que prevê multa, advertência e até demissão dos assediadores. Ainda assim, as vítimas podem entrar na Justiça com base no dano moral trabalhista ou no direito ao ambiente de trabalho saudável, garantidos na Constituição Federal.

Combater o assédio moral no ambiente corporativo deve ser incentivado, pois, além de ético, não se deve compactuar com a impunidade e o desrespeito contra as pessoas.

Fonte: protecao.com